Faça um curso pedagógico online!

1

Material Cuisenaire: Sugestões de Atividades!



Atendendo ao pedido da Janaí, separamos este espaço para sugestões de atividades com o Material Cuisenaire. Bjinhos, Janaí!!! Espero que ajude!!! Liza





Baixe aqui apostila de atividades !


Este material tem esse nome devido ao seu criador: Emile Georges Cuisenaire, (1891-1980).

Cuisenaire era professor de Matemática na Bégica, e ao se impressionar com uma cena de um aluno desesperado, em uma de suas aula, decidiu criar um material que ajudasse no ensino dos conceitos básicos de Matemática.

Então cortou algumas réguas de madeira em 10 tamanhos diferentes e pintou cada peça de uma cor; e foi assim que surgiu a Escala de Cuisinaire: O ARCO-ÍRIS DE FAZER CONTAS

Há meio século atrás , quando Cuisenaire inventou este material não sabia se iria dar certo, porém na primeira aula que testou constatou que a sua intuição estava correta.

Só mais tarde o professor ficou conhecido fora do seu país, quando o educador egípcio Caleb Gattegno, radicado na Inglaterra e famoso por suas pesquisas em Educação Infantil, recebeu de um amigo belga, um convite para conhecer o homem que ensinava números com barras coloridas. Apesar de descrente ele aceitou, encantou-se ao ver o material, e disse “esse homem mostra técnicas às crianças que são um milagre para a educação.”

O egípcio passou a divulgar o trabalho de Cuisenaire- a quem chamava de Senhor Barrinhas. O professor belga tornou-se conhecido em todo mundo.

Ë um material bem simples , porém pouco conhecido e divulgado pelos educadores.

***

Cada barra tem uma cor e um tamanho diferente.

A menor das barras tem 1 cm e representa uma unidade. A segunda tem tem 2 cms e representa o número 2, e assim por diante, até a maior de 10 cms que indica o 10.

Veja as cores correspondentes a cada número:

1 – Cor da madeira

2 – Vermelho

3 – Verde

4 – Lilás

5 – Amarelo

6 – Verde escuro

7 – Preto

8 – Marrom

9 – Azul

10 - Laranja

Para facilitar, as peças com valores que podem ser multiplicados por 2, foram pintados com cores parecidas. Manipulando as peças as crianças aprendem com facilidade a adição ,a subtração e conceitos como “o dobro de”, ou “a metade de”, de uma quantidade.

Este material pode ser usado com alunos de 3 à 11 anos.


***


Tabela de cores e quantidades:

Cor Número que representa Quantidade de barras
Branca
1
100
Vermelha
2
50
Verde-clara
3
36
Roxa
4
28
Amarela
5
20
Verde-escura
6
16
Preta
7
14
Marrom
8
12
Azul
9
12
Laranja
10
10

As cores foram escolhidas de modo a formar familias:

* família vermelha ( vermelho, roxo e marrom)

* familia amarela ( amarelo e laranja)

* familia azul (verde-clarom verde-escuro e azul)

* a cor branca

* a cor preta


obs: Com as barras Cuisenaire é possível desenvolver em classe diversas situações para o aprendizado de operações e conceitos matemáticos, mas é preciso ressalvar que o trabalho com esse material frequentemente gera dificuldades. Isso porque a criança além de precisar memorizar o signo gráfico e o nome relativo a cada quantidade, terá de saber a cor também relacionada e esta quantidade. Além disso, é preciso tomar cuidado com a quatificação ligada às grandezas de natureza discreta e às de natureza contínua.

Fonte:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

INSTITUTO DE MATEMÁTICA / INSTITUTO DE PSICOLOGIA

Laboratório de Estudos Cognitivos

Material PEAD

Disponível aqui.

***


Práticas de Ensino com a Escala Cuisenaire:

A professora Riva Cusnir, coordenadora da pré-escola do Colégio Max Nordou, da rede particular, do Rio de Janeiro, utilizou as barrinhas com alunos da pré-escola.

Riva utilizou a teoria de Jean Piaget, sobre as fases do desenvolvimento infantil, para criar um método que foi dividido em oito etapas. Cada uma corresponde a um estágio do conhecimento infantil, e a desenvoltura do grupo é que determina a velocidade com que se passará de uma fase para outra.

Fase 1:

Acontece o primeiro contato com as barrinhas, que deve ser uma brincadeira, e apenas o reconhecimento físico da peças.

Pedir para construir casinhas, trenzinhos... e discriminar tamanho e cores.

Fase 2:

Reconhecimento das cores, que é essencial para a compreensão da Escala de Cuisenaire. O avanço desta percepção pelas crianças, pode ser feita com a ajuda de jogos.

Fase 3:

Depois que as crianças já estão familiarizadas com as cores e tamanhos do material, é hora de comparar os tamanhos das barrinhas. Escolhe-se uma barrinha e pede-se à criança que procure outras duas que juntas, tenham o mesmo tamanho da primeira.

Fase 4:

Começa a associar os números às cores e aos tamanhos.

Fase 5:

Aprende a adição. Indica-se uma barrinha qualquer e os alunos tem de combiná-las com outras até obter o mesmo comprimento, ou seja, o mesmo tamanho.

Fase 6:

Aprende a subtração. Pode-se usar a tábua da decomposição em que um número, é decomposta em várias combinações possíveis colocadas lado a lado.

Fase 7 e 8:

Ao estudar a multiplicação e a divisão, incluindo frações (fase 7), e as equações com incógnitas (fase 8), os alunos já terão chegado a um ponto em que o material será útil para conferir seu raciocínio. São assuntos para terceira e quarta séries, quando as crianças começam a desenvolver o raciocínio de forma mais abstrata.

Também no cálculo d equações com incógnitas o aluno poderá empregar as barrinhas, já que para resolvê-las fará contas de subtração, adição, multiplicação e divisão.

(...)

Fonte: artigo " O arco-íris de fazer contas", de autoria de Ricardo Falzetta, que pode ser lido na íntegra aqui.

***

Links interessantes:


***

PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA EM MATEMÁTICA PARA

PROFESSORES DO 1º CICLO - ESE DE CASTELO BRANCO

***


Vídeos:

1. regletas de cuisenaire (em espanhol)




Bibliografia Sugerida:

CARDOSO, Virgínia Cardia. Materiais Didáticos para as quatro operações, São Paulo, 2ª edição, IME-USP, 1995.

GRASSESCHI, Maria Cecília, ANDRETTA, Maria Capucho, SANTOS,
Aparecida Borges. PROMAT - Projeto Oficina de Matemática, volumes 1, 2, 3 e 4, São Paulo, FTD, 1995.

KOTHE, Siegfried. Pensar é divertido, São Paulo, E.P.U., 1977.

OCHI, Fusako Hori; Paulo, Rosa M.; Yokoya, Joana H.; Ikegami, João Kasuwo. O uso de quadriculados no ensino da Geometria. IME-USP, São Paulo, 1992.

ROSA NETO, Matemática a partir da ação, volumes 1 e 2, São Paulo, editora Ática, 1993.

SMOLE, Kátia. A geometria em movimento: geoplano. "Saber +: Formação e Pesquisa", São Paulo, 1999.

http://sites.uol.com.br/sandroatini

***

Vídeo 2: Matemática Divertida




Matemática Divertida 2


***
Vídeo em inglês:

Cuisinaire blocks



***

Algumas sugestões interessantes para o trabalho com a Matemática aqui!

***

Este site é em inglês e o material deles é vendido, mas eles disponibilizam alguns exemplos de atividades para visualizar.

***

Utilizando para aprender a ordem crescente e descrescente aqui.

***

Continua... (Liza)

Um comentário :

  1. adorei o material, sou psicopedagoga e usarei esse material para trabalhar com as criança, abraços
    Maria Luiza.

    ResponderExcluir

É muito bom quando você comenta. Assim, posso saber do que você precisa e conhecer a sua opinião sobre o nosso trabalho. Obrigada!



Mais vistos do mês

Nosso muito obrigado a todos os que curtem a página!

Receba novidades em seu e-mail cadastre-se aqui.

Quer receber novidades? CADASTRE O SEU EMAIL AQUI!